Ep. 67 - As Regiões e Distritos de Portugal

ABRIR EPISÓDIO EM:

59b5bb466dbe923c39853e00.png
5f675af73b3c2a0004655703.png
5f675b163b3c2a0004655704.png
yt-icon.png
Ep. 67 - As Regiões e Distritos de Portugal
00:00 / 24:25

Neste episódio exploramos os 18 Distritos e 2 Regiões Autónomas de Portugal


TRANSCRIÇÃO


Alguns países dividem-se em estados, outros em regiões e outros em províncias. Há os que têm províncias e territórios, estados e territórios, e outros com comunidades autónomas. Depois há ainda os que têm países dentro de países e países dentro de reinos.


Portugal é um país relativamente pequeno e muito antigo, tendo as mesmas fronteiras há quase 800 anos.

Como tal, seria de esperar que as divisões administrativas de Portugal fossem relativamente simples, mas... não é bem assim!


Hoje vamos ver as várias formas como o território português foi sendo dividido ao longo da história até chegarmos àquela que é mais relevante atualmente: os distritos. Depois vamos ver quais é que são os 18 distritos de Portugal (mais as 2 regiões autónomas) e o que é que torna cada um deles especial.


Como eu disse, Portugal é um país antigo. Foi fundado em 1143 e estabeleceu as fronteiras que conhecemos atualmente em 1249, com a conquista do Algarve.

Para efeitos administrativos começamos a contar a partir do séc. XV, e desde então até ao séc. XIX, o país esteve sempre dividido em seis províncias. Que são, de Norte a Sul:

Entre-Douro-e-Minho, Trás-os-Montes, Beira, Estremadura, Alentejo e Algarve.


No século XIX tivemos a Revolução Liberal de 1820, à qual eu dediquei o episódio número 48, e com ela uma nova proposta de organização territorial, em 10 províncias em vez de 6.

Esta nova proposta foi levada avante em 1834, depois da vitória dos Liberais na Guerra Civil Portuguesa, e no ano seguinte essas 10 províncias foram então divididas em distritos.


Um século mais tarde, com a chegada de Salazar ao poder em 1933, as províncias passaram de 10 para 11 e as suas fronteiras foram alteradas seguindo a geografia natural do país, o que fez com que as fronteiras de algumas províncias e distritos deixassem de bater certo.


Estas 11 províncias foram a principal divisão administrativa de Portugal durante o Estado Novo, e ainda hoje em dia são conhecidas pelos portugueses e usadas como referência nas conversas do dia-a-dia. 


Muitas vezes até nos referimos a elas como “regiões” e não “províncias” e são elas, de Norte a Sul:

Minho, Douro Litoral, Trás-os-Montes e Alto Douro, Beira Alta, Beira Litoral, Beira Baixa, Ribatejo, Estremadura, Alto Alentejo, Baixo Alentejo e Algarve.


Com a revolução de 25 de Abril de 1974 e a Constituição de 1976, estas províncias perderam importância a nível administrativo e passaram a ser os distritos a divisão mais importante, e é sobre eles que vou falar hoje.


O nosso rectângulozinho que é Portugal está então dividido em 18 distritos, cada um deles dividido em municípios, que são as cidades e vilas, e cada um destes divididos em freguesias. Todos os distritos têm o nome da sua capital, que normalmente é a maior cidade do distrito.


Depois existem ainda as 2 regiões autónomas da Madeira e dos Açores, que correspondem aos arquipélagos do mesmo nome e que não fazem parte de Portugal Continental.


Vamos ver então cada um dos distritos e regiões autónomas portuguesas e o que é que torna cada um deles especial. Se estiveres a pensar visitar Portugal, toma nota, e se me estiveres a ouvir no podcast, recomendo vivamente que vejas o vídeo no YouTube para poderes ver todas as fotografias e vídeos dos diferentes lugares de Portugal.


Mais uma coisa, o tema de hoje foi votado pelos meus patrons, que também tiveram acesso a este vídeo com uma semana de antecedência. Por isso, se quiseres apoiar o Portuguese With Leo e ter acesso a estas regalias e muitas mais, inscreve-te no Patreon, o link está na descrição!


De Norte para Sul começamos com Viana do Castelo, o distrito mais a Noroeste, na região do Minho. Tem cerca de 230 mil habitantes, o que o coloca em 13º lugar em termos de população, e com uma área de 2255 quilómetros quadrados, é o distrito mais pequeno de todos.


Para além da capital Viana do Castelo, as cidades mais conhecidas e que valem a pena visitar são Ponte de Lima e Arcos de Valdevez. A cidade de Monção, na fronteira com a Espanha, é conhecida pela Feira da Foda. Sim, Feira da Foda!


Em agosto, uma boa parte dos jovens de todo o país vai até à praia fluvial do Taboão para o festival Vodafone Paredes de Coura, que este ano vai ter lugar de 17 a 20 de agosto. É um muito bom festival por isso, fica a dica!


A sul de Viana do Castelo temos o Distrito de Braga, também parte da região do Minho, e conhecido principalmente por 2 cidades: Braga e Guimarães.

Braga é a maior cidade e a capital do distrito, e é normalmente considerada a 3ª maior cidade de Portugal, com muita vida universitária e uma população muito jovem. 


Guimarães é conhecida como o “Berço de Portugal” porque foi nesta cidade que o Reino de Portugal foi fundado no séc. XII pelo rei D. Afonso Henriques. Tanto o Centro Histórico de Guimarães como o Santuário do Bom Jesus em Braga são considerados Património Mundial da UNESCO.


E escusado será dizer que entre estas cidades existe uma grande rivalidade, que se vive sobretudo a nível do futebol, quando o Sporting de Braga joga contra o Vitória de Guimarães.


Outra cidade interessante do distrito de Braga é Barcelos, cidade onde nasceu a lenda do Galo de Barcelos, galo esse que hoje em dia é um dos símbolos mais conhecidos de Portugal.


O Distrito de Braga tem cerca de 850 mil habitantes, o que faz dele o 4º distrito mais populoso, superado por muito pouco pelo distrito de Setúbal.


Nestes 2 distritos do Minho - Viana do Castelo e Braga - temos o único Parque Nacional de Portugal: O Parque Nacional Peneda-Gerês, que vale muito a pena visitar!


Abaixo do Distrito de Braga, sempre ao longo da costa, temos o Distrito do Porto, o segundo mais populoso do país, com uma população de 1 milhão 790 mil e o único, juntamente com Lisboa, que tem uma área metropolitana: a Área Metropolitana do Porto.


Acho que não há dúvidas de que o Porto é a cidade a visitar aqui neste distrito. É uma cidade simplesmente lindíssima, a segunda maior do país, e o seu Centro Histórico, a Ponte Luiz I e o Mosteiro da Serra do Pilar são todos considerados Património Mundial da UNESCO.


Se quiseres saber o que visitar no Porto, vê o vlog que fiz quando lá estive no mês passado, o link está na descrição!


Obviamente, não se pode falar sobre o Porto sem se falar sobre vinho, sendo que aqui é produzido talvez aquele que é o vinho português mais conhecido de todos: o vinho do Porto.


Embora este seja conhecido por ser armazenado nas caves do Porto, ele não é produzido aí, mas sim na região do Alto Douro Vinhateiro, que é toda a região ao longo do rio Douro, a cerca de 100 quilómetros a leste do Porto, que apanha os quatro distritos de que vou falar a seguir: Vila Real, Bragança, Guarda e Viseu. Esta região vinícola do Alto Douro é considerada Património Mundial da UNESCO.


O primeiro destes distritos é então Vila Real, pertencente à região de Trás-os-Montes e com uma população de cerca de 185 mil habitantes. Para além da própria cidade de Vila Real, capital do distrito, vale a pena visitar Chaves, uma das cidades mais bonitas do país e onde as pessoas sabem muito bem receber, como o demonstrou o meu amigo Rui no vídeo que fizemos sobre o sotaque de Trás-os-Montes!


O distrito mais a Nordeste do país é Bragança, também em Trás-os-Montes, e com uma população de mais ou menos 120.000 habitantes é o 2º menos populoso do país.


Não te esqueças de que a população de Portugal está sobretudo no Litoral, e portanto os distritos do interior são sempre aqueles que têm menos população.


Tal como Vila Real, Bragança é um distrito produtor de vinho do Porto, mas um dos factos mais interessantes sobre Bragança é que é aqui, mais precisamente no município de Miranda do Douro, que se fala a única língua oficial de Portugal que não é o português: o mirandês!


No Distrito de Bragança temos também Mirandela, de onde vem a deliciosa alheira de Mirandela, que é um prato típico com uma história muito interessante que eu explico no meu tour gastronómico pelo Bairro Alto, que foi o episódio número 53!


E não nos podemos esquecer da freguesia de Podence, de onde vem a tradição de Carnaval dos Caretos de Podence, sobre a qual eu falei no meu episódio sobre o Carnaval, que foi o episódio número 24!


Continuando nos distritos produtores de vinho do Porto, temos a Guarda, a sul de Trás-os-Montes, na região da Beira Alta. Com 143.000 habitantes, é o terceiro distrito menos populoso, mas tem algumas coisas que o tornam único:

Na Guarda conseguimos encontrar o Parque Arqueológico do Vale do Côa, com pinturas rupestres pré-históricas e considerado, naturalmente, Património da UNESCO.


Temos também a cadeia montanhosa mais alta do país e o único lugar onde é possível esquiar em Portugal: a Serra da Estrela.


À esquerda da Guarda temos o distrito de Viseu, onde as pessoas falam assim, e de onde vem a minha avozinha Maria da Conceição.

Aqui estamos ainda na região da Beira Alta, e para além da cidade de Viseu, a capital, a cidade que mais vale a pena visitar é Lamego, uma cidade com muito património histórico e que é uma das maiores produtoras de vinho do Porto.

Com cerca de 350 mil habitantes, Viseu é o décimo distrito mais populoso.


À esquerda de Viseu temos o Distrito de Aveiro, na região da Beira Litoral, que com cerca de 700 mil habitantes é o quinto distrito mais populoso do país.

Aqui a cidade mais conhecida é sem dúvida a capital Aveiro, que nós gostamos de chamar “a Veneza portuguesa” por causa dos seus canais e barquinhos típicos chamados moliceiros.


É também de Aveiro que vêm os deliciosos ovos moles: um doce feito à base de ovos que tem origem, como todos os bons doces portugueses, num convento de freiras, nomeadamente o Mosteiro de Jesus de Aveiro.

Um dos sítios mais fotografados de Aveiro é sem dúvida a praia da Costa Nova, onde existem umas casinhas típicas com umas riscas verticais que ficam muito bem no Instagram.


Passando agora ao Distrito de Coimbra, temos muita coisa interessante de que falar. Para começar, perto da Serra da Estrela temos a aldeia do Piódão, que pertence à rede de Aldeias Históricas de Portugal e que é uma das aldeias mais únicas do país, com as suas características casas de xisto.


E depois claro, temos a cidade de Coimbra, uma das maiores e mais importantes do país, onde está localizada a universidade mais antiga de Portugal e uma das mais antigas da Europa: a Universidade de Coimbra, que é considerada Património da UNESCO.


Como deves imaginar, a vida na cidade de Coimbra gira em torno da Universidade, tendo sido aqui que nasceram as tradições universitárias portuguesas que tanto inspiraram o mundo do Harry Potter e das quais eu falo no episódio 11.


Foi também em Coimbra que viveram os protagonistas da história de amor mais trágica de Portugal, o infante D. Pedro e Inês de Castro. Diz-se que a verdade é mais estranha que a ficção, e a história de Pedro e Inês rivaliza com a de Romeu e Julieta, com a diferença de que esta aconteceu mesmo! 

Um dia dedicarei um episódio inteiro a essa história, a história da única rainha portuguesa coroada após a sua morte, mas para já deixo-te com a informação de que Coimbra é o nono distrito mais populoso, com cerca de 410 mil habitantes.


A leste de Coimbra e sul da Guarda, na região da Beira Baixa, temos o distrito de Castelo Branco, um dos menos populosos do país com 178 mil habitantes.

Aqui a maior cidade é a capital, Castelo Branco, que é sem dúvida paragem obrigatória. Outro sítio que vale a pena visitar é a aldeia de Monsanto, conhecida como a Aldeia mais Portuguesa de Portugal, e de onde se vê um pôr-do-sol fantástico.


Para os que gostam de festivais e de... substâncias, é neste distrito, mais concretamente em Idanha-a-Nova, que tem lugar o famoso festival Boom, uma espécie de Burning Man português, que acontece de 2 em 2 anos e que este ano vai ter lugar de 22 a 30 de julho.


Voltando ao Litoral, entre Coimbra e Lisboa e com uma população de quase 460 mil habitantes temos Leiria.

Embora a maior cidade seja a capital, o Distrito de Leiria é talvez mais conhecido pela pequena cidade costeira da Nazaré, onde todos os invernos é possível ver e surfar as maiores ondas do mundo.


Foi aqui que em 2011 o surfista americano Garrett Macnamara surfou uma onda de 23,77 metros, estabelecendo o recorde de maior onda surfada do mundo. E foi também aqui que esse recorde foi batido pelo surfista brasileiro Rodrigo Koxa, que em 2017 surfou uma onda de 24,38 metros.


A cerca de 20 minutos de carro da Nazaré existem dois mosteiros que são Património da UNESCO: o mosteiro da Batalha, construído no séc. XIV como agradecimento à Virgem Maria pela vitória na batalha de Aljubarrota; e o Mosteiro de Alcobaça, do séc. XIII, onde atualmente estão os túmulos de Pedro e Inês, os protagonistas da trágica história de amor de que falei há pouco.


Outra paragem obrigatória do distrito de Leiria é a vila medieval de Óbidos, uma das vilas medievais mais pitorescas e bem conservadas do país e onde se faz a famosa ginjinha de Óbidos, uma bebida que eu, pessoalmente, adoro.


O distrito de Santarém corresponde à província do Ribatejo, e é aqui que está localizada a freguesia de Glória do Ribatejo, onde tem lugar a ação da primeira série portuguesa da Netflix, Glória, que saiu em novembro de 2021 e sobre a qual eu fiz um vídeo.


Com 425 mil habitantes, é o oitavo distrito mais populoso, depois de Leiria e antes de Coimbra, e embora a maior cidade seja a capital, Santarém, aquela que mais vale a pena visitar é Tomar.


Tomar está exatamente no meio de Portugal, e entre os séculos XII e XIV foi a sede da Ordem dos Cavaleiros Templários. Este legado ainda é visível no conjunto arquitetónico do Convento de Cristo, um conjunto de edificações históricas quase tão antigo como Portugal, e que é património da UNESCO.


Perto da fronteira com o Distrito de Leiria temos depois o Santuário de Nossa Senhora de Fátima, um dos lugares católicos mais importantes do mundo, onde em 1917 se crê ter acontecido um milagre: a repetida aparição de um anjo a 3 pastorinhos de idades entre 7 e 10 anos - o Francisco, a Jacinta e a Lúcia.


A leste do Distrito de Santarém temos o Distrito de Portalegre, o menos populoso do país com apenas 105 mil habitantes.

Embora tenha pouca população, é outro distrito com Património Mundial da UNESCO, neste caso a cidade fronteiriça de Elvas e as suas fortificações.

É também deste distrito que faria parte a cidade de Olivença, se os espanhóis no-la devolvessem... Mas isso é tema para outra altura.


Do distrito menos populoso passamos para aquele que tem maior número de habitantes: Lisboa.


Com 2 milhões 270 mil habitantes, Lisboa tem quase um quarto (1/4) da população portuguesa, e corresponde a toda a área a sul de Leiria, oeste de Santarém e a norte do rio Tejo.


A maior cidade é sem dúvida Lisboa, a capital e maior cidade do país, e a minha cidade natal e cidade favorita. Já fiz vários vídeos sobre Lisboa, irei certamente fazer muitos mais, e podia ficar horas a falar sobre esta cidade e a dizer porque é que a adoro.


Talvez o faça num futuro episódio do podcast exclusivo do Patreon, em que faço episódios mais longos e um pouco mais pessoais, mas hoje vou apenas referir os 3 locais do Distrito de Lisboa que são Património da UNESCO: Mafra, Sintra e Belém.


Em Mafra temos todo o complexo do Real Edifício de Mafra, construído no séc. XVIII durante o reinado de D. João V, que conta com um convento, basílica, palácio e a famosa Tapada de Mafra, onde é possível observar inúmeras espécies locais de fauna e flora.


Em Sintra temos uma paisagem natural magnífica e alguns dos monumentos mais bonitos de Portugal, nomeadamente o Palácio da Pena, a Quinta da Regaleira e o Castelo dos Mouros.


Finalmente, em Belém, na cidade de Lisboa, temos a famosa Torre de Belém e Mosteiro dos Jerónimos, que são ambos edifícios de estilo manuelino. Foi neste mosteiro que foi inventado o doce português mais famoso de todos, o pastel de Belém, que é possível encontrar na Fábrica dos Pastéis de Belém, mesmo ao lado do Mosteiro.


É também no Mosteiro dos Jerónimos que se encontram os túmulos de Vasco da Gama e Luís de Camões.

A sul de Lisboa, do outro lado do Tejo, temos o Distrito de Setúbal que juntamente com distrito de Lisboa contém a Área Metropolitana de Lisboa, que é a maior área urbana do país e a décima maior da Europa.


O facto de fazer fronteira com a cidade de Lisboa faz deste distrito o terceiro mais populoso do país, com quase 880 mil habitantes, sendo que grande parte da sua população tem como centro de vida a cidade de Lisboa e não a de Setúbal, que é a capital do distrito. Prova disto é o facto de a cidade mais populosa deste distrito não ser Setúbal, a sua capital, mas sim Almada, a cidade imediatamente a sul de Lisboa.


E falando de Almada, aqui temos 2 monumentos que nos transportam para outros países: a estátua do Cristo-Rei, uma réplica da estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro e a ponte 25 de Abril, que nos faz lembrar a Golden Gate Bridge em São Francisco.


No Distrito de Setúbal temos excelentes zonas de praia, sobretudo a costa a oeste da cidade de Setúbal, e temos também o único safari de Portugal: o Badoca Park.


No Alentejo a leste de Setúbal temos o distrito de Évora, com pouco mais de 150 mil habitantes. A capital, Évora, é uma das cidades mais bonitas do país, sendo o seu centro histórico considerado Património da UNESCO.


Aqui é possível visitar o Templo Romano de Diana e a Capela dos Ossos, uma capela decorada inteiramente com ossos humanos, construída no séc. XVII, que à entrada tem a frase “Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos.”


A sul de Évora e norte do Algarve, correspondendo à região do Baixo Alentejo, temos o distrito de Beja, o maior do país em termos de área, mas o quarto menor em termos de população, com apenas 144 mil habitantes.


É aqui que temos a costa vicentina, uma porção da costa portuguesa entre Vila Nova de Milfontes e o Algarve, conhecida pelas suas maravilhosas praias.

É também aqui que tem lugar outro muito conhecido festival de verão, o MEO Sudoeste, que este ano será de 2 a 6 de agosto.


Finalmente chegamos ao distrito de Faro, que corresponde à região do Algarve, a região mais a sul do país.

Tirando as cidades de Lisboa e do Porto, o Algarve é sem dúvida a zona mais turística e mais visitada do país, com praias maravilhosas e muita festa no verão.


É das regiões que melhor conheço porque vou para lá todos os anos no verão, e até já fiz um vlog na cidade de Lagos.

Também falei muito sobre o Algarve no segundo episódio deste podcast, intitulado “Onde é que os portugueses vão de férias?”, por isso recomendo que o oiças porque este episódio já se está a fazer longo.


Deixando Portugal Continental e os seus 18 distritos, temos de nos aventurar pelo Atlântico para ir visitar os 2 arquipélagos do país: Madeira e Açores.


Cada um destes arquipélagos constitui uma região autónoma, o que significa que cada um deles tem o seu próprio governo e assembleia legislativa que correspondem basicamente às versões regionais do Governo e Assembleia da República nacionais em Lisboa. Falo disto em mais detalhe no episódio número 63, sobre a política em Portugal.


Começando pelo arquipélago da Madeira este é constituído por 4 ilhas, sendo que apenas 2 são habitadas, a ilha da Madeira e o Porto Santo. O Porto Santo é uma pequena ilha de apenas 5 mil habitantes, o que significa que é na ilha da Madeira que vive 98% dos cerca de 260 mil habitantes do arquipélago da Madeira, e quase metade deles todos vivem na capital, Funchal.


A Madeira tem o único Património da UNESCO que não foi construído pelo ser humano: a floresta laurissilva, um tipo de floresta húmida endémica das ilhas da Macaronésia, mas que só existe em grande quantidade na Madeira.


Outra coisa pela qual a Madeira é conhecida é por ter sido o local de nascimento do Cristiano Ronaldo, sem dúvida o melhor futebolista português de todos os tempos e provavelmente a pessoa mais famosa do Mundo, pelo menos a julgar pelos seus números nas redes sociais. 

A Madeira tem também uma indústria do turismo muito desenvolvida, sendo famosa pelo seu Carnaval, a Festa da Flor e os fogos de artifício na noite de fim de ano.


Normalmente as pessoas do Continente acham que nas ilhas se vive mal e que existe um certo atraso a nível económico e de infraestruturas, e embora isso talvez fosse verdade há uns 40 anos atrás, hoje em dia a Madeira é dos lugares mais desenvolvidos e com melhor nível de vida em Portugal.


É nos Açores que o caso muda de figura. Ao contrário da Madeira, os Açores são compostos por 9 pequenas ilhas espalhadas pelo Atlântico, estando as mais distantes, Santa Maria e Corvo, a cerca de 600 quilómetros uma da outra.


Este facto, aliado a um clima mais imprevisível, faz com que os Açores sempre tenham ficado para trás em termos de desenvolvimento. É nos Açores, mais precisamente na ilha de São Miguel, que se encontra a vila mais pobre de Portugal e uma das mais pobres da Europa, Rabo de Peixe. 


É também nos Açores que se encontra a vila mais isolada de Portugal, e provavelmente da Europa: a Vila do Corvo, onde vivem apenas 380 pessoas, que é a única vila da pequena ilha do Corvo, que está nos Açores, no meio do Oceano Atlântico. Mais isolado que isto é difícil.


Talvez por causa da sua geografia difícil de dominar, os Açores são provavelmente o lugar com maior beleza natural de Portugal, sobretudo a ilha de São Miguel, com a sua famosa Lagoa das Sete Cidades.


Para além das incríveis paisagens verdejantes e lagoas vulcânicas únicas, os Açores têm também a montanha mais alta de Portugal: o Pico, na ilha do Pico, que com os seus 2351 metros, supera o ponto mais alto da Serra da Estrela que tem 1993 metros de altitude.


Também na ilha do Pico temos um dos dois Patrimónios da UNESCO nos Açores: a paisagem da cultura da vinha.

O outro Património da UNESCO encontra-se na ilha Terceira, e é todo o centro histórico da cidade de Angra do Heroísmo. Eu estive lá na minha viagem aos Açores e fiquei simplesmente apaixonado por Angra, é das cidades mais bonitas que já vi na minha vida e se a quiseres ver tu também, bem como outros lugares maravilhosos dos Açores e saber mais informações sobre o arquipélago, vai dar uma olhadela ao vlog que eu fiz durante a minha viagem.


Espero que tenhas gostado deste episódio que acabou por ser uma viagem virtual por Portugal. 


Como sempre, agradeço a todos aqueles que me apoiam no Patreon e que votaram no tema deste episódio e se quiseres também tu ajudar a escolher os temas de futuros episódios e ter acesso a outros conteúdos exclusivos, como as minhas lives mensais, entrevistas completas com os meus convidados ou o meu podcast exclusivo, considera inscrever-te no meu Patreon.


Obrigado e até à próxima!