Ep. 65 - Portugal vs Brasil: Diferenças fonéticas

ABRIR EPISÓDIO EM:

59b5bb466dbe923c39853e00.png
5f675af73b3c2a0004655703.png
5f675b163b3c2a0004655704.png
yt-icon.png
Ep. 65 - Portugal vs Brasil: Diferenças fonéticas
00:00 / 20:40

Neste episódio juntei-me à Marcia do canal Português com Marcia Macedo para compararmos as diferenças fonéticas entre o português de Portugal e o português do Brasil.


TRANSCRIÇÃO


No passado fiz 2 vídeos em que comparei o português de Portugal com o português do Brasil com a ajuda das minhas amigas Liz e Carol. Num dos vídeos comparámos palavras diferentes com o mesmo significado e noutro palavras iguais com significados diferentes.


Hoje volto a comparar estas 2 vertentes da língua portuguesa, mas desta vez vou comparar as diferenças fonéticas e para isso tenho uma convidada muito especial, a Marcia Macedo, que também tem um canal de Youtube em que ensina português brasileiro. O canal chama-se Português com Marcia Macedo.


Atenção, eu sei que cada zona de cada país tem características fonéticas locais, e que tanto em Portugal como no Brasil há sotaques diferentes em diferentes partes de cada país. 

No entanto, como não é possível comparar todos os sotaques de todas as partes de ambos os países, vamos cingir-nos às características fonéticas mais difundidas em cada um dos países.


Boa tarde Marcia! Bem vinda ao Portuguese With Leo!


Tudo bem? Tudo bom Leonardo? É um prazer estar aqui com você, o prazer é imenso!


Muito prazer também! Conta-nos um pouco de onde és e o que é que fazes no Youtube.


Bom, eu sou do Brasil, sou da região de São Paulo e já há quase seis anos que tenho o canal de Youtube onde eu ensino português brasileiro para estrangeiros.


Uma referência, o teu canal, acho que é dos maiores canais de português no Youtube, se não me engano. E hoje vamos falar sobre a diferença fonética entre as nossas versões do português, não é? E a primeira coisa que se nota e que muitos estrangeiros também notam é que em Portugal nós comemos mais as vogais e temos mais consoantes juntas, temos mais clusters de consoantes. 


Isto acontece porque o português europeu foneticamente é uma língua (que eu não sei dizer em português) stress-timed e portanto, o timing segue as silabas tónicas e o português brasileiro, se não me engano, acho que em todo o Brasil, não sei se depois varia com a região, mas é syllable-timed ou seja as sílabas têm todas mais ou menos o mesmo tempo, não é?


Sim, exatamente.


Um exemplo clássico é a palavra colesterol porque é uma palavra com muitas vogais e nós em Portugal dizemos COL STROL, é como se houvesse duas pausas e o resto da palavra junta-se como se fossem imensas consoantes enquanto que no Brasil como é que vocês pronunciam?


COLESTEROL.


Portanto, cada sílaba...


Exatamente, cada sílaba e com todas as vogais pronunciadas. No português de Portugal você está falando, teoricamente, a gente chama isso de debilitamento. Há um debilitamento, um apagamento das vogais.


Portanto, nós apagamos as vogais átonas, que são aquelas que têm menos força e só pronunciamos quase a vogal tónica. No caso de Portugal, PRTGAL é o -A. Ou então, a minha nacionalidade Português, mesma coisa: só pronunciamos o -Ê enquanto que no Brasil...


Português. E nós colocamos sempre um -I e muitas vezes acrescentamos vogais ainda, no Brasil. Portuguêis. Não existe esse -I mas a gente acrescenta um -I.


Uma coisa que eu notei nos comentários de um video meu em que falei sobre o som -ÃO, é que parece que no Brasil os sons nasais são um pouco mais fortes. Por exemplo, como é que tu dizes João?


João.


Portanto aqui parece ser uma diferença muito subtil. Parece que em Portugal dizemos mais -ÃO, assim um -ÃO mais aberto e no Brasil é mais -ÃUM. Mais anasalado, exatamente. Ou então olha, por exemplo, MÃE.


Mãe.


Exato, é mais forte. Aí nota-se.


Sim, bem diferente!


É mais forte no Brasil.


E mais ainda... Eu sendo de São Paulo sabe que dizem que, não sei se há estudos sobre isso, mas dizem que em São Paulo as pessoas ainda forçam mais o nasal. E eu sou de São Paulo então fica mais...


Normalmente nós temos mais a tendência a achar: vogais mais abertas no Brasil e vogais mais fechadas em Portugal. Regra geral é assim. No entanto, muitas vezes quando nós abrimos, vocês fecham as vogais. Isto aqui, há um sketch muito engraçado, uma conversa muita engraçada, dois humoristas: o Ricardo Araújo Pereira de Portugal e o Gregório Duvivier do Brasil em que eles falam sobre isto e basicamente palavras como COCÓ.


COCÔ.


COCÔ, exatamente. E por acaso já não me lembro de mais exemplos...


BEBÊ.


Nós dizemos BEBÉ.


E nós BEBÊ.


Exatamente, ou seja, nós fechamos quase sempre mas quando nos abrimos vocês fecham as vogais. É mesmo ali para estar em desacordo.


Agora queria-me focar em sons específicos que em Portugal e no Brasil pronunciamos de forma diferente e queria começar com as palavras que acabam em -E porque para um estrangeiro pode parecer estranho mas nem nós nem os brasileiros pronunciamos com -E. Nós dizemos /ɨ/ e no Brasil como é que é?


Normalmente fica /i/.


Um exemplo pode ser a palavra NOBRE.


Para nós vai ficar NOBRE.


Exato, ou INTERESSE.


Para nós INTERESSE.


E também notar que nós quase não pronunciamos aquele -E, é quase um suspiro, INTRESSE, e vocês pronunciam mais o -E.


Sim, exatamente. Sabe que tem uma variação, dependendo da região... Eu morei por 12 anos em Curitiba que fica ao sul do Brasil e lá muitos dos falantes, não todos, não vamos generalizar porque já tem muita gente de fora, têm uma tendência em fazer o -E final como -Ê então é INTERÊSSÊ, NOBRÊ, LÊITÊ...


Ou seja, são os mais parecidos à forma como se escreve, na verdade. Falando ainda do som /i/, uma das características talvez mais características do português brasileiro é como se pronunciam o -D e o -T antes do som /i/ que é aquele som que eu gosto de dizer que é um som muito festivo que é o /d(ʒ)i/ e o /t͡ʃi/, que em Portugal não existe e em Portugal nós pronunciamos o -D, /di/ e o -T, /ti/ portanto uma coisa mais comum às outras línguas que existem, mas no Brasil...


Não... no Brasil é /t͡ʃi/ e /d(ʒ)i/. De maneira geral, também tem variação no nordeste do Brasil, algumas regiões do Brasil, que também eles fazem como vocês, português europeu, que é /di/ e /ti/ também. Vai variar um pouco da região.


Já falei com pessoas do nordeste e realmente é /di/ e /ti/, que para um português que não sabe isso de antemão até parece “será que ele está a tentar fazer um sotaque português para eu perceber?”. Tipo, “não é preciso! Eu percebo o /d(ʒ)i/ e o /t͡ʃi/”. Mas não, é mesmo o sotaque do nordeste que é /di/ e /ti/. 

Em muitas situações o /d(ʒ)i/ e o /t͡ʃi/ brasileiro é antes do som /i/, só que não é antes da letra -I, é antes da letra -E porque precisamente a letra -E muitas vezes lê-se /i/, o que faz com que apareça antes do -I e antes do -E quando este se lê /i/ no Brasil. Então: TIAGO


TIAGO.


DIFERENTE


DIFERENTE.


Tem os dois, exatamente... E GRANDE.


GRANDE.


Exatamente. Depois, as palavras que acabam em -L. Nem em Portugal nem no Brasil pronunciamos o -L mais comum no mundo todo que é o /l/ porque em Portugal pronunciamos aquele que é conhecido como o “dark L”, o /ɫ/ que é o -L russo, mais eslavo ou o -L do inglês americano, comparando com inglês britânico,  /ɫ/ e portanto dizemos Portugal e Brasil. Mas no Brasil:


Brasil, Portugal, legal,...


Exatamente, portanto é um som mais W ou U, é ali mais uma mistura.


Exatamente.


Agora, começamos a entrar em letras mais complicadas que é o -R e o -S porque são letras que se conseguem ler de muitas formas diferentes tanto num país com noutro. Começando por Portugal, a letra -R tem mais comummente o som /ʁ/ mas também pode ter o som /r/, normalmente no interior ou pessoas mais idosas, e tem este som quando é a primeira letra duma palavra ou quando há um -R duplo no meio de uma palavra ou quando vem depois de um som nasal. Vou dar exemplos: 

A palavra REI, é a primeira letra. GUERREIRO.


Portanto, pode ter estes sons onde o mais comum é o /ʁ/. E quando vem depois de um som nasal, o som /ẽ/, DESENRASCAR ou então DESENRASCAR. Em todas as outras situações tem o som /r/, ou seja, no final das palavras, DESENRASCAR, /r/. Ou então, quando é um só -R no meio das palavras tipo, PEREIRA... Tem dois até. Portanto, ou é /ʁ/ ou /r/, mas no Brasil...


No Brasil a gente já faz diferente.


Como é que é o vosso -R no início das palavras e quando há -R duplo?


Então, aí vai ser /ʁ/.


Ah, então é mais aqui...


Exatamente, RUA, RIO... E duplo no meio da palavra fica CARROÇA, CARRO, /ʁ/.


Ou seja, é mais suave, é quase o -H em inglês. É ali meio caminho entre o -H inglês e o -R português que é mais /ʁ/. E vocês também têm esse -R depois de um som nasal não é? Como é que tu dizes DESENRASCAR?


DESENRASCAR, -RA, continua /ʁ/.


Mas depois, como é que vocês pronunciam então o -R sozinho no meio da palavra e o -R final?


Se ele está sozinho fica como em CARO, PEREIRA e no final da palavra fica AMOR, ou por exemplo, FAZER... E isso varia também, é regional porque se o -R é no final ele pode ser exemplo no Rio de Janeiro ou nordeste como as outras regiões, já falam mais /ʁ/ também então fica AMORR, FAZERR... então já tem essa outra influência, não é?

 E também se ele é no meio da palavra no sentido de estar antes de uma consoante, como PORTA, o meu nome MARCIA. Então, pode variar, eu falo MARCIA mas outras pessoas vão dizer MARCIA. PORTA ou PORTA, eu falo mais PORTA. E em São Paulo varia mais ainda, no interior dizem PORTA.


Exatamente! Há mais variação no Brasil. E se não me engano, um que tu não disseste é quando ele fica em vez de se pronunciar o -R final fica a vogal, tipo AMÔ.


Isso! Também! Porque acontece esse debilitamento que a gente chama...  um apagamento desse -R final é bem comum então fica “Amô, faz isso... vamu fazer tal coisa?”. E aí apaga o -R final.


Com o -S também, tu acabaste de fazer, VAMU.


Com o-S também sim. O -S também é outra tendência natural de muitas línguas, não é?


Sim, no Espanhol, por exemplo, acontece muito.


No francês, todos os -S finais já não são pronunciados também.


Exato. O -S é das letras mais chatas quando se está a aprender português porque pronuncia-se de 4 formas diferentes. Pronuncia-se /s/, o som S sem a vibração das cordas vocais, /s/. Quando é a primeira letra, por exemplo SENTIR, o verbo SENTIR. 

Quando há um -S duplo no meio da palavra. O -S duplo é colocado entre duas vogais para dar o som /s/, por exemplo PASSAR, o verbo PASSAR. Ou então quando vem depois de uma consoante e antes de uma vogal tipo INSISTIR, aqui temos dois -S mas, N S I (consoante / S / vogal), fica INSI. 

Depois pronuncia-se com o som /z/, que é esse -S mas com a vibração das cordas vocais, /z/, o som da letra -Z, em português, quando vem entre duas vogais. CASA, a palavra CASA. No Brasil também não é?


Também, isso não muda.


Pronto, ou seja, até agora estamos iguais. O primeiro -S, como é que tu dizes SENTIR?


SENTIR.


E como é que dizes PASSAR?


PASSAR.


E INSISTIR?


INSISTIR.


Portanto até agora estamos iguais. Agora é que fica diferente. Agora é que a coisa se complica porque em Português de Portugal nós temos um som muito presente, até um dos motivos pelos quais muitas pessoas acham que parecemos russos a falar, o som /ʃ/. 


Que é um som que no Brasil existe no Rio e talvez ali perto, não sei, mas é só naquela área e na maior parte do Brasil não se usa, o tal S chiado, não é? E então quando é que nós usamos isso? Quando é o -S final, por exemplo em qualquer palavra plural, COISAS, CASAS, MARCIAS, LEONARDOS, qualquer plural. 

Ou então quando vêm depois de uma vogal e antes de uma consoante. Isto acontece muito com palavras que começam com E S consoante, tipo ESPANHA, ESTENDER, estender a roupa. Mesmo no meio da palavra também, a palavra INSISTIR que vimos à bocado, I S T...  Fica /ʃ/. 


Mas, nestas situações em que a consoante que vem a seguir é sonora, ou seja, é uma consoante que tem vibração das cordas vocais, o som /ʃ/ transforma-se em /ʒ/, ou seja dizemos INSISTIR porque o -T não é sonoro ou ESPANHA, fica /ʒ/ porque o -P não é sonoro, mas se fosse uma consoante sonora tipo -M que tem vibração... ESMOLA, fica /ʒ/ como o som do -J, ESMOLA. No Brasil é mais simples, como é que é no Brasil? Na maior parte do Brasil?


Então, na maior parte vai ficar o /s/ como ESMOLA, MESMO, INSISTIR... Quais os outros exemplos que você deu? SITUAÇÕES...


O que é que eu disse mais? Todos os plurais também!


É! Os plurais, MARCIAS, LEONARDOS, CASAS... De uma maneira geral fica esse /s/ normal e então no Rio e Minas, tem outras variações que se aproximam do Português de Portugal.


Mas vocês também têm o fenómeno, porque é normal, dos sons sonoros e surdos que o -S antes de consoantes sonoras fica sonoro, fica /z/. ESMOLA tu não dizes ESMOLA dizes EZMOLA. Portanto, fica o som /z/, basicamente.


Exatamente. Deixa fazer-te uma observação, se você não quiser pode cortar do vídeo. Você falou do -S inicial mas olha só a pronuncia que você fez de SITUAÇÕES. Eu falo SITUAÇÕES e você disse CHITUAÇÕES.


Isso aí, eu já tive comentários assim em vídeos. Eu se calhar passei de uma palavra que acaba em -S para a palavra SITUAÇÕES. Sabes porque é que isto acontece? Porque realmente em Portugal, não em todo o Portugal, mas pelo menos em Lisboa e na maior parte do país o som SC, tipo NASCER, originalmente era /nɐʃˈseɾ/, no Brasil fica /naˈse(ʁ)/, fica sempre -S. 


Ou seja, no Brasil entre o /ʃ/ e o /s/ vocês escolheram o /s/. Nós, em Portugal, na maior parte de país escolhemos o /ʃ/ então fica NASCER, PISCINA. Então o que é que acontece? Quando tens uma palavra que acaba em -S, que acaba em /ʃ/ e tens outra em que começa em -S que começa em /s/, o /ʃ/ ganha. 

Então se eu disser SITUAÇÕES, a palavra, é SITUAÇÃO, SITUAÇÕES... Mas se eu estiver a falar e disser AS_SITUAÇÕES, não digo AS SI... digo AS_SITUAÇÕES.


Para acabar assim com as diferenças especificas de sons... Quando os estrangeiros que aprenderam português, e normalmente português do Brasil porque é mais presente e mais influente, dizem nomes de palavras estrangeiras tipo Facebook e “não sei quê” a falar português acrescentam o -I no final. 

O que para nós portugueses é muito engraçado porque vê-se que aprenderam a palavra estrangeira no português do Brasil, porque vocês acrescentam o -I final quando dizem palavras que acabam em consoantes surdas. Palavras que acabam em /k/ e /t/. Então um exemplo é a palavra Facebook, que nós dizemos Facebook mas no Brasil dizem Facebooki.


INTERNET.


Exatamente, nós dizemos INTERNET.


IPAD.


IPAD.


Como é que dizes um computador, se for por um Mac.


MAC.


E com esta concluímos esta comparação de características fonéticas de Portugal e Brasil. Obrigado Marcia pela tua participação!


Nossa Leonardo, eu é que agradeço! Foi um prazer enorme estar aqui com você no seu canal que é maravilhoso. Muito obrigada!


Espero que tenham gostado e percebido melhor onde é que os sotaques português e brasileiro são diferentes.

Se estiverem interessados em aprender mais sobre o português brasileiro, vão dar uma olhadela ao canal da Marcia, Português com Marcia Macedo, onde também fizemos um vídeo juntos em que explorámos as diferenças de vocabulário entre o português de Portugal e o português do Brasil.


Como sempre um grande muito obrigado aos meus patrons, que me apoiam todos os meses!


No Patreon dou acesso a conteúdos exclusivos, como livestreams mensais, um podcast exclusivo mensal, e as entrevistas completas e sem cortes com os meus convidados, como esta de hoje com a Marcia. 


Se estiverem interessados em apoiar o Portuguese With Leo e ter acesso a tudo isto, sigam o link na descrição para se inscreverem no Patreon!


E até à próxima!