Ep. 51 - O pronome VÓS em português

Ep. 51 - O pronome VÓS em português (1)
00:00 / 11:10

Ouvir no SpotifyiTunes ou Google Podcasts, ou ver o vídeo no Youtube

Neste episódio aprendemos como é que o Brasil se tornou independente de Portugal, há exatamente 199 anos, no dia 7 de Setembro de 1822.

TRANSCRIÇÃO:

Olá a todos e bem vindos de volta ao Portuguese With Leo.

Como já perceberam (ou percebestes) pelo título, o vídeo de hoje vai ser sobre a 2ª pessoa do plural, que em português corresponde ao pronome vós, que é um pronome que tanto em Portugal como no restante mundo lusófono, caiu em desuso. Mas não completamente!

Hoje vamos aprender um pouco sobre a história do “vós”, de onde é que surgiu, porque é que foi praticamente substituído pelo “vocês”, e de onde é que esse “vocês” veio; e no final vamos ver em que contextos e em que lugares é que o “vós” ainda é utilizado em Portugal. E vocês vão ver… ou melhor, vós ides ver que o “vós”, é muito mais utilizado do que parece à primeira vista.

Antes de começar, quero só anunciar que recentemente criei um Patreon, onde coloco conteúdos exclusivos e onde temos uma comunidade que está a crescer a olhos vistos e que comunica exclusivamente em português. Mas conto-vos mais sobre isso no final!

Comecemos então com um pouco de história!

A língua portuguesa, bem como as restantes línguas românicas ou latinas, teve origem no latim, nomeadamente no latim vulgar, que era o vernáculo falado nas províncias ocidentais do Império Romano.

Ora, o latim tinha uns quantos pronomes pessoais, eram eles ego, tu, is/ea/id, nos, vos, ei/eae/ea. A todos os falantes de latim peço desculpa pela pronúncia, que certamente está errada.

Estes pronomes correspondem, com algumas diferenças, àqueles que existem hoje em dia nas línguas latinas, e se olharmos para as 5 línguas principais, português, espanhol, francês, italiano e romeno, vemos que cada uma das línguas tem um equivalente ao “vos” latim.

Em romeno e em italiano “voi”; em francês “vous”, em espanhol “vos” (que mais tarde deu origem ao “vosotros”), e em português “vós”.

E esta segunda pessoa do plural do latim tinha 2 funções: era usada tanto para falar com várias pessoas, como para falar com uma pessoa de forma formal. Por exemplo, em francês, isto ainda se verifica. Utiliza-se o “vous” tanto para falar com várias pessoas no plural, como para falar no singular com uma pessoa, de forma formal.

No entanto, algo aconteceu na Península Ibérica, e para além do “vos” ou “vosotros” espanhol e do “vós” português, começou a aparecer em ambas as línguas um outro pronome para se referir a alguém de forma formal: “usted” em espanhol e “você” em português.

Ambas as palavras têm origem no termo “vossa mercê” (“vuestra merced” em espanhol), que corresponde a “your mercy” e que era na Idade Média a forma de tratamento reservada aos reis.

No entanto, com o passar do tempo quando os reis começaram a ser tratados por “vossa alteza” e mais tarde por “vossa majestade”, o termo “vossa mercê” deixou de ser exclusivo para a realeza e começou a ser utilizado pela nobreza muito alta como forma de tratamento formal, substituindo o vós.

Com o passar dos séculos, este “vossa mercê” foi sendo cada vez mais utilizado pela população em geral e foi sofrendo alterações (vossa mercê, vossemecê, vosmecê), até que acabou em você, que é o termo que utilizamos hoje em dia. Paralelamente, em espanhol aconteceu um processo semelhante que transformou o “vuestra merced” em “usted”.

É por isso que hoje em dia, o “você” tem esta conotação formal em Portugal. Porque vem do “vossa mercê”, que era o termo usado no tratamento formal, e esse “vossa mercê” por sua vez substituiu o “vós” que antes era o termo usado no tratamento formal.

Ora com a existência deste “você”, conjugado na 3ª pessoa do singular (você é, você está), foi natural o aparecimento da sua forma plural, “vocês”, conjugado também na 3ª pessoa, mas do plural (vocês são, vocês estão).

E tal como o “você” substituiu o “vós” como maneira formal de nos dirigirmos a uma pessoa, o “vocês” substituiu também o “vós”, mas na vertente plural de nos dirigirmos a várias pessoas, tanto formal como informal.

Isto provavelmente aconteceu porque é mais simples conjugar o “vocês”, na 3ª pessoa do plural, do que o “vós”, na 2ª pessoa. E por isso ao longo dos anos as pessoas foram utilizando cada vez menos o “vós” e cada vez mais o “vocês”.

Ou seja, o nosso pobre “vós”, que antigamente era usado para falar tanto no singular de forma formal, como no plural, hoje em dia está cada vez mais a desaparecer. Mas não desapareceu completamente, e agora vamos ver em que sítios e em que contextos é que ainda se usa este pronome, hoje em dia!

Em relação a contextos específicos em que se usa o “vós”, os mais óbvios são qualquer representação de um período histórico do passado, em que as personagens dialogam usando o “vós” - filmes, séries, livros, peças de teatro, documentários, etc.

Outra situação é o contexto religioso católico. Na bíblia utiliza-se o “vós”, na missa os padres utilizam muito o “vós” e, quando rezamos as orações mais conhecidas, como o Pai Nosso ou a Avé Maria, também utilizamos o “vós”.

No entanto, para além destas situações excecionais, há partes do país onde o vós ainda é utilizado na linguagem do dia a dia, se bem que muitas vezes de forma incompleta. Estou a falar sobretudo do norte de Portugal, regiões como Trás os Montes, Minho e Beira, onde as pessoas, tanto mais velhas como os jovens até, ainda utilizam o “vós”, sobretudo em aldeias mais pequenas.

Mas porque é que eu digo que o usam de forma incompleta? Por um lado, porque muitas das pessoas que utilizam o "vós" no dia a dia, não o utilizam exclusivamente. Às vezes conjugam certos verbos com o "vós'' e outras vezes certos verbos com o “vocês”. Não usam só o “vós” e sempre o “vós”.

Por outro lado, porque muitas vezes, mesmo quando conjugam um verbo com o “vós”, misturam e metem o “vocês” pelo meio, dizendo algo como “Onde é que vocês ides?”, em vez de dizerem “Onde é que vós ides?” ou “Onde é que vocês vão?”.

E falando de erros gramaticais com o “vós”, existe um erro que muitos portugueses fazem, não tanto porque não conheçam a gramática, mas muitas vezes por uma questão fonética de acrescentar um S, e o erro é o seguinte: No pretérito perfeito, conjugar o “tu” como se fosse o “vós”.

Isto é porque, no pretérito perfeito, a conjugação do “vós” é basicamente igual ao “tu”, mas com um S no final, e por isso muitas pessoas ao falar acrescentam esse S , sem se aperceberem e dizem algo como: “Onde é que andastes?”/“O que é que fizestes?” quando na verdade querem dizer “Onde é que andaste?”/”O que é que fizeste?”

Embora seja um erro relativamente comum entre portugueses, não deixa de ser um erro, por isso, não façam esse erro.

Finalmente, para acabar, há uma situação gramatical em todos os portugueses utilizam o “vós” e a maioria nem se apercebe.

Só os nerds de gramática como eu. Esta situação é quando usamos dois tipos de pronomes específicos, os pronomes átonos e os pronomes possessivos. Quando usamos estes pronomes utilizamos o equivalente ao “vós”, ou seja , utilizamos a 2ª pessoa do plural. 

No caso dos possessivos: meu, teu, seu, nosso, vosso, seu. Ou seja, us amos o pronome pessoal da 3ª pessoa do plural, “vocês” com o pronome possessivo da 2ª pessoa do plural, “vosso”. Por exemplo, a frase “Onde é que vocês deixaram o vosso carro?”

Em teoria, para ser gramaticalmente correto, teria de ser: “Onde é que vocês deixaram o seu carro?”. Aí estaríamos a combinar um pronome pessoal da 3ª pessoa com um pronome possessivo da 3ª pessoa. No entanto isto soa completamente errado aos ouvidos de um português e ninguém fala assim,

O mesmo acontece com os pronomes átonos: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes. Quando usamos o “vocês”, que é a 3ª pessoa do plural, usamos o “vos”, que é a 2ª pessoa do plural. Ou seja, dizemos “Vocês ouviram o que eu vos disse?”

Mais uma vez, para haver concordância entre o pronome pessoal e o pronome átono, teria de ser algo como: “Vocês ouviram o que eu lhes disse?”. Mas mais uma vez, isto soa errado aos ouvidos de um português e ninguém fala assim.

E com esta despedimo-nos! Espero que tenham gostado, que tenham aprendido algo novo, e que tenham percebido porque é que nos meus vídeos de conjugação eu utilizo sempre o “vocês” em vez do “vós”.

Resta-me só agradecer a todos aqueles que me apoiam no Patreon e a convidar os restantes de vocês (ou de vós), a apoiarem o canal no Patreon, onde terão acesso à comunidade Portuguese With Leo no Discord, onde falamos exclusivamente em português, e terão acesso a conteúdos extra que eu vou publicando ao longo do mês, incluindo verem os vídeos uma semana mais cedo!

O link está na descrição, por isso vão lá dar uma olhadela e até para a semana!

Voltar ao topo