Ep. 49 - 3 Dicas para falar português como um nativo

Ep. 49 - 3 Dicas para falar português como um nativo
00:00 / 13:36

Ouvir no SpotifyiTunes ou Google Podcasts, ou ver o vídeo no Youtube


Neste episódio aprendemos 3 dicas fundamentais para melhorarem o vosso sotaque e falarem como verdadeiros portugueses!

TRANSCRIÇÃO:

Olá a todos e bem vindos de volta ao Portuguese With Leo e a mais uma lição rápida de português!

Normalmente estas lições são mais focadas na gramática, mas hoje vamos fazer uma coisa diferente. Vamos focar-nos na fonética e vamos  aprender alguns truques para pronunciar os sons da língua portuguesa como os portugueses.

Como é habitual nestas lições rápidas de português, quero começar por agradecer às pessoas que contribuíram com doações para este podcast nos últimos 2 meses, que foram as seguintes:

Shana e John Clavet, Daniel Sullivan, Bernard Henin, Dina Moura, Edward Clarke, Krzysztof Wiszniowski, Christina O'Shaughnessy, Detlef Wurl, Adam Mika, Sergio Orta, Ronnie Simpson, Jerome Fagot, Lars Johansson, Luis Torres, Thomas Guse, Sarah Benndorf, Cédric Farez, Fernando Borque, Kenneth Anderson, George Hannan,  Ana Torres, os contribuidores recorrentes Benny Friedman, Larue Allen, Lisa Fridland, Ronald Hoehne, Ye Ke, Michael Dawson, Bruce Joffe, Manuel Ríos e Naël Achkar, e também aqueles que preferiram manter-se anónimos.

Muito obrigado a todos pelo apoio e por me ajudarem a manter este podcast!

Quero também anunciar que vou finalmente criar um Patreon, onde vão estar disponíveis conteúdos exclusivos, mas dou-vos mais informações sobre isso no final do episódio!

Vamos falar então sobre a pronúncia portuguesa!

Existe uma grande diferença entre conseguir ler português e conseguir perceber e falar português, porque a nossa forma de falar é um pouco complexa, e não corresponde sempre à forma como se escreve. Muitas vezes as letras são faladas de forma diferente dependendo do lugar que ocupam na palavra ou frase, ou então não são pronunciadas de todo! Se tentarmos falar português exatamente como se escreve, parecemos robôs a falar, o que não soa nada natural.

Por exemplo, se eu começar a pronunciar cada uma das letras das palavras que digo, então pareço um robô a falar, e não soo nada natural (e se eu falasse assim, provavelmente não teria amigos).

Pois bem, para evitar que também vocês falem como robôs e fiquem sem amigos, hoje vamos ver 3 situações principais em que os falantes não nativos de português normalmente fazem erros de pronúncia...

E vamos começar com as vogais. Se vocês já ouviram portugueses a falar, então sabem que nós em Portugal não gostamos nada de vogais e estamos sempre a cortá-las das palavras.

Normalmente as palavras têm sempre uma sílaba tónica, que é aquela que é pronunciada com mais ênfase, e as restantes são sílabas átonas, e nós cortamos as vogais das sílabas átonas, não da tónica. No entanto, não tratamos as vogais todas por igual, e há umas que omitimos mais do que outras, sendo que aquelas que mais eliminamos do nosso discurso são o E e o O.

O exemplo mais óbvio é quando as palavras acabam em E ou em O. Normalmente, nestes casos, o E pronuncia-se /ɨ/ e o O pronuncia-se /u/, mas a verdade é que nem sequer os pronunciamos, simplesmente suspiramos deixando a boca na posição do /ɨ/ e /u/. Por exemplo, com E as palavras “parte”, “presidente”, “precisamente”; e com O as palavras “obrigado”; “jeito” e “tempo”.

Também pronunciamos as letras E e O desta forma fechada (/ɨ/ e /u/), quando estão entre 2 consoantes e não são a sílaba tónica. Nestas situações, a não ser que estejamos a falar muito devagar, nem sequer as pronunciamos de todo. Por exemplo, as palavras “pessoa”; “relação”; “governo” e “Portugal”.

É por isso que dizer a uma pessoa que a amamos, que é a coisa que as pessoas mais gostam de ouvir em qualquer língua, em português europeu não é assim tão bonito. Porque dizemos “amo-te” mas a forma como pronunciamos fica, “amt” - que não é propriamente o som mais musical.

Com a letra E há ainda uma outra situação específica, que é quando o E é seguido de um S e de uma consoante. Normalmente nesta situação, o “es-” pronuncia-se /ʃ/ ou /ʒ/. Isto acontece sobretudo no início de muitas palavras, como por exemplo “estado”; “Espanha”; “esquecer”; “esforço”; “escola”, “esgrima”; “esmagar”, etc...

O “erro”, entre aspas, que muitos falantes não nativos fazem é pronunciar esse E inicial. Ou seja, em vez de dizerem “shquecer”, dizer “e-shquecer”, o que não soa muito português.

Aqui um caso curioso é o do verbo estar. Com o verbo estar quando falamos num registo informal nós vamos mais longe ainda e retiramos completamente o “es-”. Ou seja, dizemos “tou”, “tás”, “tive”, “tiveste”, “tamos”, “tão”, “tá”, “teve”, etc..). É daí que vem o clássico “Tou?” que dizemos quando atendemos o telefone. É a palavra “estou” sem o “es-” inicial.

Tal como o E e o O, as vogais I e U também sofrem desaparecimentos quando estão entre duas consoantes e não são tónicas, como é o caso das palavras “distância” e “popular”.

Para além da nossa mania de comer vogais, outra coisa muito típica do português de Portugal é a forma como ligamos palavras, normalmente palavras que acabam em S (ou Z) e palavras que começam com uma vogal (ou com a letra H, que em português é muda).

 

Normalmente, quando as palavras acabam em S (ou Z), esse som final lê-se /ʃ/.

Por exemplo, “animais”, “coisas”, “país”, “paz”, etc.

No entanto, se a palavra que vem a seguir começar com uma vogal (ou com a letra H), então esse /ʃ/ final pronuncia-se como um Z, /z/. Isto acontece porque a letra S, quando está entre duas vogais, é sempre pronunciada como um Z, como nas palavras “casa”, “coisa” e “presidente”. Ou seja, quando uma palavra acaba em vogal e depois -S, e depois a palavra seguinte começa com outra vogal, basicamente temos essa mesma situação, um S entre duas vogais, e portanto, esse -S vai-se ler /z/. Por exemplo, a frase: “Neste país há muitos animais amigáveis”.

Aqui o erro comum dos falantes não nativos de quem está a aprender português, é pronunciar todos os S’s finais como /ʃ/. Ou seja, um falante não nativo tem tendência a dizer “Neste paí-sh-há muito-sh-animai-sh-amigáveis”, quando deveria dizer “Neste paí-z-há muito-z-animai-z-amigáveis”.

 Outra situação de ligar palavras, é quando ligamos uma palavra que acaba em A com outra que começa em A. Aqui, o erro comum de muitos falantes não nativos, é pronunciar os dois A’s, o que se torna muito robótico e pouco natural. Por exemplo, a frase: “A minha amiga ajudou-me.”

A forma mais natural de pronunciar esta frase seria juntando os 2 A’s e abrindo a pronúncia. Ou seja, juntar os dois A’s e pronunciá-los como um só A, aberto. Por exemplo: “A minh-á-mig-á-judou-me.”

Finalmente, a última situação de que quero falar que causa muitas dificuldades aos falantes não nativos são as palavras que acabam em M, que são muitas e muito frequentes, por exemplo as palavras “sim”, “bom” e “bem”.

Aqui vocês têm de olhar para este M final não como uma consoante, mas sim como uma vogal nasal. A diferença entre as consoantes e as vogais é que quando dizemos consoantes fechamos a boca e quando dizemos vogais deixamos a boca aberta, A E I O U. Pois bem, aqui o M final é basicamente uma vogal, e portanto a nossa boca não fecha. Dizemos “sim” e não “sime”, que é o erro típico que a maior parte dos estudantes de português fazem.

Portanto, as palavras que acabam em M podem acabar de 5 formas diferentes, dependendo da vogal que vem antes: -am, -em, -im, -om ou -um.

Quando a palavra acaba em -am, lê-se “ão”, como na palavra “cão”. Isto é importante porque corresponde, basicamente, à conjugação de quase todos os verbos na 3ª pessoa do plural em quase todos os tempos verbais. Por exemplo: “ficam”, “falaram”, “diriam”, “queiram”, “sejam”, “fizeram” etc.

Quando a palavra acaba em -em lê-se “ãe”, como a palavra "mãe", e corresponde também a muitas conjugações da 3ª pessoa do plural, em muitos tempos verbais, por isso é importante pronunciá-la bem: “tivessem”, “correm”, “fazem”, “andem”, etc. Também existe em algumas das palavras mais usadas da língua portuguesa, como por exemplo “em”, “bem”, “também”, “ninguém”, “alguém”, etc...

As palavras que acabam em -im, -om e -um são um pouco mais fáceis porque correspondem ao som dessa vogal (I, O, U), mas nasalado: “im”, “om” e “um”. Para fazer este som, basta dizer o som da vogal, seguido de um N (“in”, “on”, “un”), mas o N é incompleto. Não chegamos a tocar com a língua no céu da boca (“im”, “om”, “um”). Por exemplo, as palavras “sim”, “fim”, "bom'', “som”, “um” e “algum”.

E bom, espero que tenham gostado desta lição rápida de português e que apliquem estas dicas para falarem de uma forma mais portuguesa.

Tal como eu disse no início do episódio, finalmente criei um Patreon para o Portuguese With Leo!

Se não sabem o que é o Patreon, basicamente é uma plataforma de subscrição mensal que permite a qualquer pessoa apoiar o seu criador preferido. Neste caso, no Patreon do Portuguese With Leo, aqueles de vocês que quiserem poderão apoiar-me financeiramente com uma subscrição mensal, que em troca vos dará conteúdos exclusivos e benefícios.

A minha ideia é criar uma comunidade mais exclusiva com o Patreon, em que eu próprio estou mais presente e comunico mais com vocês, por isso, ao aderirem ao Patreon vão poder pertencer à comunidade Portuguese With Leo no Discord.

Também poderão ter outros benefícios, como acesso aos vídeos uma semana antes da data de publicação, o poder de votar nos vídeos futuros do Portuguese With Leo, e atualizações sobre os planos futuros que eu tenho com o Portuguese With Leo.

Também vou fazer todos os meses uma live stream de perguntas e respostas para os membros do Patreon, 1 vídeo com os bloopers das filmagens desse mês, e ainda têm a possibilidade de ter uma aula privada comigo!

E claro, todos aqueles que me apoiarem no Patreon terão direito aos seus nomes no final de todos os vídeos daqui para a frente e um agradecimento especial em cada vídeo.

O link para o Patreon está na descrição, por isso se estiverem interessados em apoiar o canal e em ter acesso a estes conteúdos e benefícios extras, vão dar uma olhadela.

E não se esqueçam que mesmo com o Patreon, o meu link do Paypal vai continuar ativo para aqueles de vocês que quiserem continuar a apoiar o canal com uma doação ocasional! Que eu agradeço muito!

Muito obrigado por terem assistido até ao final, um grande abraço e até para a semana!

Voltar ao topo

Próximo episódio