Ep. 40 - Os Santos Populares em Portugal

Ep. 40 - Os Santos Populares em Portugal
00:00 / 09:17

Ouvir no SpotifyiTunes ou Google Podcasts, ou ver o vídeo no Youtube

O mês de junho é o meu mês preferido para viver em Portugal porque celebramos os Santos populares.


Neste episódio explico o que são estas festas, como é que surgiram, e porque é que são tão populares.

TRANSCRIÇÃO:

Olá a todos e bem vindos de volta ao Portuguese With Leo!


Estamos precisamente a meio do mês de junho, aquele que é o meu mês preferido para viver em Portugal e sobretudo em Lisboa, porque temos uma tradição muito divertida por todo o país chamada Santos Populares!


Neste episódio vou explicar o que são os Santos Populares, como é que esta tradição surgiu e como é que a celebramos hoje em dia.


O que são então os Santos Populares? Os Santos populares são os festejos daqueles que são os 3 Santos mais populares em Portugal: Santo António, São João e São Pedro. Cada um destes santos tem um feriado, e os 3 feriados são em junho, por isso todo o mês de junho acaba por ser dedicado à celebração destes Santos.


E agora vocês estão a pensar: Então com o Dia de Portugal no dia 10 de junho e mais 3 feriados ao longo do mês de junho para estes 3 santos, em Portugal em junho praticamente não se trabalha!


Oxalá fosse assim! Infelizmente os feriados dos santos não são feriados nacionais, mas sim feriados municipais, o que significa que só algumas cidades é que os celebram.


Começando pelo Santo António, este é celebrado no dia 13 de junho e só é feriado em Lisboa. Isto significa que na noite de dia 12 de junho há uma festa de arromba pelas ruas da cidade de Lisboa, e no dia 13 ninguém na cidade trabalha, mas no resto do país a vida continua de forma normal.


Depois vem o São João, no dia 24, que é feriado em algumas cidades, sendo que a mais conhecida e onde as celebrações são maiores é a cidade do Porto. Na noite de dia 23, conhecida como noite de São João, uma das tradições mais típicas e peculiares é as pessoas baterem nas cabeças umas das outras com uns martelinhos de plástico que fazem barulho.


Finalmente, no dia 29 de junho, temos então o São Pedro, que é talvez o santo menos conhecido por não estar associado a nenhuma das duas grandes cidades de Portugal: Lisboa e Porto. Este feriado é celebrado em algumas cidades como Póvoa de Varzim, Sintra e Évora, entre outras.


Bom, mas quem foram  exatamente estes santos e porque é que são especiais? A verdade é que existem muitos santos no mundo, e os nomes António, João e Pedro não são exatamente nomes muito únicos, são até bastante comuns.


O Santo António foi um frade franciscano que nasceu em Lisboa em 1195 e dedicou a sua vida a ajudar os pobres e desfavorecidos. Viveu muito tempo em Itália e morreu em Pádua, cidade que também o celebra, sendo até conhecido em quase todo o mundo como Santo António de Pádua. Mas nós aqui conhecemo-lo como Santo António de Lisboa!


São João e São Pedro são bem mais antigos do que Santo António e não são portugueses, sendo ambos conterrâneos e contemporâneos de Jesus Cristo.


Talvez vocês conheçam melhor São João como João Batista, o homem que batizou Jesus Cristo. E talvez conheçam melhor o São Pedro como São Pedro Apóstolo, um dos apóstolos mais importantes de Jesus Cristo, e também o primeiro Papa.


Agora que já sabemos quem são os nossos Santos, está na hora de aprender um pouco sobre a história destas celebrações em Portugal.


Acredita-se que estas celebrações tenham origem nas Maias, que eram umas celebrações religiosas medievais dedicadas ao mês de maio. Como acontece normalmente com as celebrações religiosas, estas celebrações foram perdendo o seu significado religioso com o passar do tempo e foram sendo simplesmente ocasiões de festa, até que foram proibidas pelo rei D. João I no século XIV.


Apesar da proibição, as pessoas estavam habituadas a fazer festa em maio, e por isso arranjaram outra “desculpa” para continuar a ter celebrações neste mês: Passaram a celebrar o Dia da Espiga na quinta-feira da Ascensão de Jesus, que acontece 40 dias depois da Páscoa e normalmente calha no final de maio.


Uns tempos mais tarde, no séc. XVIII, os franceses começaram as suas tradições das marches aux flambeaux, ou seja, procissões com archotes, que são muito comuns hoje em dia para celebrar o feriado nacional francês, o Dia da Bastilha.


Em Portugal começámos a adotar estas marchas também para as nossas celebrações do mês de maio. A única diferença é que não levamos archotes nas mãos.


Com o passar do tempo, estas celebrações foram passando de maio para junho, com cada cidade do país a celebrar o seu santo preferido.


E como é que celebramos então os santos hoje em dia?


Cada cidade tem tradições específicas, mas no geral há muita festa pelas ruas ao longo de todo o mês de junho. As ruas dos bairros mais antigos das cidades são decoradas com grinaldas e fitas de várias cores e são montadas barraquinhas de comes e bebes onde são servidos pratos típicos como caldo verde, caracóis, sardinha assada, bifanas e enchidos como morcelas e chouriço. E claro, muita cerveja, vinho e sangria, e um licor típico muito delicioso chamado ginjinha!


Normalmente as barraquinhas que vendem comida e bebida também têm colunas a tocar música, e também são montados palcos nos bairros mais emblemáticos de cada cidade, onde tocam artistas de vários tipos de música popular portuguesa, sendo que o estilo musical que mais se ouve durante este mês é a música pimba.


A música pimba é um estilo musical muito divertido e especial para os portugueses, uma vez que é a música por excelência dos arraiais e festas populares. É aquele estilo de música que durante o ano ninguém ouve, mas nas ocasiões de festas populares, principalmente durante os Santos, ouve-se música pimba em todo o lado.


Normalmente, as canções pimba têm letras com conotação sexual e com jogos de palavras, ou trocadilhos, e se tiverem curiosidade, recomendo que vão ouvir as músicas do Quim Barreiros e do Emanuel, por exemplo, e pesquisem as letras para perceberem aquilo que eles dizem.


Como devem calcular, de todos os festejos  que há pelo país, aqueles que eu conheço melhor são os de Lisboa, que é a minha cidade. Por isso agora vou contar-vos um pouco quais é que são algumas das tradições do Santo António em Lisboa.


Como já referi, existe festa por toda a cidade, com muita comida, muita música e muito álcool. Os bairros onde costuma haver mais festa são os bairros mais antigos e tradicionais, como Alfama, Mouraria, Bairro Alto, Bica e Graça.


Um dos principais elementos dos festejos do Santo António em Lisboa são as marchas populares, em que os diferentes bairros da cidade competem entre si fazendo desfiles com roupas típicas e danças populares, num estilo muito carnavalesco. Normalmente o bairro de Alfama é o que sai mais vezes vencedor.


O outro grande elemento são os casamentos de Santo António. No dia 12 de junho, véspera do dia de Santo António, 16 casais casam-se na Sé de Lisboa, sendo todo o casamento, desde os vestidos de noiva aos fatos dos noivos e toda a cerimónia e o copo de água, patrocinado por empresas que se prestam a tal.


Esta tradição começou em 1958, com o objetivo de ajudar casais com dificuldades financeiras a conseguirem casar-se. Embora tenha tido uma interrupção de 30 anos em 1974 depois do 25 de Abril, hoje em dia é novamente uma tradição típica da cidade de Lisboa.


E bom, espero que tenham gostado deste episódio sobre aquele que é o meu mês preferido para viver em Portugal!


Infelizmente, este ano, 2021, voltámos a não ter Santos Populares em Lisboa por causa da situação que estamos a viver, mas tenho a certeza de que para o ano vão haver festejos, e por isso recomendo a todos vocês que tiverem possibilidade vir para Portugal em junho de 2022 e garanto-vos que não se vão arrepender!


Um abraço e até para a semana!

Voltar ao topo

Próximo episódio