Ep. 15 - Português Europeu vs. Português Brasileiro: Palavras diferentes com o mesmo significado

Ep. 15 - Português Europeu vs. Português Brasileiro: Palavras diferentes com o mesmo significado
00:00 / 12:28

Ouvir no SpotifyiTunes ou Google Podcasts, ou ver o vídeo no Youtube

Neste episódio muito especial finalizamos a colaboração entre mim e a Liz do canal Talk the Streets com um jogo muito divertido em que eu e a Liz temos de adivinhar o significado de palavras brasileiras que não são utilizadas em português europeu! 

TRANSCRIÇÃO:

"Então meninos, o que acharam das reações ao nosso vídeo?"


"Epá, excelente, os vídeos tiveram bué visualizações, buéda gostos, bué comentários bacanos, pá acho que o pessoal curtiu mesmo bué, e foi ganda ideia termos feito esta colaboração pá, foi mesmo fixe! E tu Carol?"


"Achei mara, a edição ficou muito massa! Eu achei que deu uma boa ideia das diferenças e o que eu achei mais legal mesmo foi a boa vibe da galera nos comentários. A sério mesmo, show de bola!"


"Então, foi bom?"


"Sim, sim, sim, foi bom!"


Olá a todos e bem vindos de volta ao Portuguese With Leo!


Se não perceberam nada daquilo que acabámos de dizer durante a introdução, não se preocupem porque não vamos falar assim tão depressa durante o resto do episódio.


O episódio de hoje é especial, porque é o terceiro de uma colaboração entre mim e a Liz, do canal de Youtube Talk The Streets, em que exploramos as diferenças entre o português de Portugal e o português brasileiro, com a ajuda da nossa amiga Carol, que é do Brasil!


Se quiserem ver os 2 vídeos que já fizemos juntos, podem ir ao canal de Youtube Talk the Streets, o link está na descrição!

 

Nos outros 2 vídeos explorámos as diferenças nos sotaques dos portugueses e dos brasileiros, e também as diferenças gramaticais entre estas duas formas da Língua Portuguesa. Hoje vamos falar um pouco das palavras que são diferentes entre os dois países mas têm o mesmo significado, e para isso vamos jogar um jogo:


A Carol já vive aqui em Portugal há uns 4 anos e por isso já conhece as palavras portuguesas, mas eu e a Liz não conhecemos assim tão bem todas as palavras brasileiras, por isso a Carol preparou uma lista para nos perguntar algumas palavras do Brasil a ver se nós adivinhamos.


Aos que estão a ouvir o podcast, recomendo fortemente que vejam o vídeo no Youtube, uma vez que é mais interativo e cada palavra estará acompanhada da sua tradução em inglês e de uma imagem daquilo que a palavra representa.


Olha, eu escolhi essas palavras porque são palavras que eu tive que aprender mesmo desde que eu me mudei para cá, são realmente palavras do dia a dia. A começar pelos transportes. Então vamos começar pelas mais fáceis:

Trem.
Trem é fácil: comboio.
Exatamente.
Ônibus.
Autocarro.
Ponto de ônibus.
Paragem de autocarro.
Deve ser a paragem, exato.
Pedestre.
É o peão?
Peão, exatamente.
Faixa de pedestres.
É o, é o, a passadeira?
Passadeira, isso.
Ok.
Açougue.
É o quê?
Não, explica um pouquinho o que é.
Onde se vai comprar carne, especificamente carne.
Talho?
Muito bem!
Açougue?
Eu nunca ouvi essa palavra.


Então, como o Leo disse, eu estou cá já há mais de quatro anos, e lá no início eu procurava muito nas ruas o açougue. Na verdade eu nunca encontrei o açougue, porque o que eu tinha de procurar na verdade era o talho.


Bala.
Bala, a bala que está numa pistola.
Pode ser, mas...
Ah, tipo chiclete? Não.
Chiclete é pastilha elástica. Esse, o chiclete do Brasil é a pastilha elástica aqui. Mas há aquela redondinha, gostosinha. Não?
Não.
Os rebuçados.
Ah, um rebuçado.
A gente chama de bala, balinha...
Uma simples agora: banheiro.
Casa de banho.
Cardápio.
Menu.
Ah, eu também sabia! Eu pensei que tu não ias saber.
Sei, eu sei. Menu, num restaurante.
Muito bem. Celular.
Telemóvel.


Então eu estudei português de Portugal primeiro, na faculdade, mas depois fui para morar no Brasil. Eu tive que mudar o sotaque e também o vocabulário, como estamos a dizer hoje, e até agora eu não consigo deixar de dizer a palavra celular em vez de telemóvel aqui, não tenho como.


Calcinha.
É cuecas, não é? Não?
É eternamente calcinha!
Mas é só para mulheres, cueca de mulher.
Eu não aceito que mulheres usem cuecas! Então esta eu nunca mudei. As outras eu mudei ao longo da vida, esta não!
Calcinha. É roupa interior feminina.
Muito bem!
Sorvete.
Gelado.
Xícara.
É a chávena. Essa é muito estranha.
Varal.
Não sei, varão?
Varal.
Varau?
Para limpar a casa?
É de casa, mas não é para limpar a casa. Para se deixar as roupas que estão molhadas.
Estendal.
É o estendal?
Muito bem!
Varal, acho que, acho que sabia.
Mais uma fácil: suco.
Sumo.
Cadarço.
Não faço ideia.
Não?
Não.
Os atacadores.
A sério?
Do ténis, das sapatilhas.
Se não sabem atacadores, que também não é fácil, são os cordões para atar os sapatos. Shoelaces em inglês.
Uma fácil: tela.
Tela é ecrã.
Geladeira.
Frigorífico.
Essa talvez seja um pouco regional: quando acabei de comer eu vou, em casa, em Minas Gerais, eu digo que eu vou lavar as vasilhas.
Lavar a loiça?
Sim, e eu vivi com uma rapariga que é dos Açores e ela me contou que lá as vasilhas eram para as vacas, ou seja para os animais, então ela sempre ria muito quando eu falava que ia lavar as vasilhas.
Olha, eu nem conheço a palavra vasilhas, nem em Portugal nem no Brasil, por isso…
E eu não tenho a certeza, eu acho que essa é uma regional, eu não sei se é também uma coisa que se fala em todo o país.
Lavar, lavar a loiça, ok.


Uma palavra que eu falei ao início e que em Portugal é malta, eu disse galera, que é um conjunto de pessoas. E eu ia às aulas de pilates e a professora falava: “A malta está de parabéns!” Outro dia: “Hoje a malta não está atenta!” E eu pensava: “Quem é essa menina que merece tanta atenção da professora?” Todo o dia falava da Malta! Um dia, a professora parece que adivinhou meus pensamentos e falou: “Para os alunos brasileiros, olha, a malta é a galera.” Aí eu fiquei aliviada, pensei: “Ok, ela está a falar com todo o mundo”. Mas eu realmente achei que a malta era uma pessoa.


Depois das vasilhas, a privada?
A privada…
Casa, não, não é casa de banho, já dissemos.
Dentro da casa de banho.
Ah, é o, é onde, é onde, é a sanita?
Muito bem.
Privada? O quê?
Nunca ouvi isso.
Saindo de casa, a vitrine.
Ah, isso é a montra de uma loja.
A sério? Ok, em Portugal uma vitrine… É o quê? Uma vitrine… Epá nem sei bem o que é que é uma vitrine.
É a montra!
É, mas tem outros significados, eu não sei bem, mas na edição vai aparecer o significado de vitrine em Portugal.


Então já tive a oportunidade de fazer uma pequena pesquisa, e, tal como as meninas disseram, no Brasil uma vitrine é aquilo que em Portugal chamamos de montra, que é o espaço dentro de uma loja onde são dispostos os produtos para venda de modo a que possam ser vistos da rua através de um vidro. Em inglês seria uma display window, shop window ou store window. A palavra vitrine em Portugal, por sua vez, é um armário envidraçado onde são colocados objetos para exposição, aquilo que em inglês seria uma display case.


Vamos para duas finais mais difíceis.
Ok.
Catracas.
Não sei, isto é bué giro.
Explica lá um pouquinho o que é.
Estou a sair do metrô no caso do Brasil, o metro aqui, e passo assim por… Plim!
Ah, é o… Turnstile.
Como se diz aqui em português, eu não sei.
É a cena.
A barreira…
É, são aquelas barreiras, que faz…
Por acaso não sei se temos uma palavra para isso.
Pois, acho que sim, só que eu também não me lembro, nunca.
Epá, pá são as portas do metro.
Mas há uma palavra.
Se eu me lembrar quando estiver a editar o vídeo…


Mais uma vez tive de fazer alguma pesquisa e a palavra correta em português europeu parece ser torniquete. No entanto, a palavra torniquete também tem muitos outros significados, por isso a melhor opção talvez seja chamar-lhes barreiras, como as meninas estavam a dizer.


E a minha preferida, agora.
Conta!
Isopor.
Isso não sei.
Esta eu não sabia mas aprendi recentemente: é esferovite.
O que é que é esferovite?
O que é que é isopor?
Isopor é lindo!
Esferovite é porque é esférica, porque tem uma forminha de bolinhas, e vite tem a ver com o… Não sei, mas acho que é daí.
E nós dizemos em inglês: styrofoam.
Eu prefiro isopor.
Esferovite.
Styrofoam.


Então quando eu cheguei no Brasil foi muito difícil porque eu já tinha português de Portugal na cabeça, eu tinha o sotaque perfeitinho, mas lá, não. Gozaram comigo muito, eu tive que mudar praticamente tudo, especificamente, para mim o mais difícil foi, como nós dizemos em inglês filler words, ou em Portugal dizem muletas de discurso. Para mim, por exemplo, eu dizia muito “já percebi”, que quer dizer que compreendo, que entendo, mas os brasileiros têm uma cara totalmente confusa tipo: “Que é isso? Que tá falando?” Porque eles dizem “entendi”, mas nem isso, eles dizem “tendi”, que é uma palavra que parece completamente diferente do “já percebi” que eu estava a dizer.


Espero que tenham gostado deste episódio um pouco diferente do habitual! Se ainda não viram os outros vídeos que fiz em colaboração com a Liz, sugiro que vão dar uma olhadela, o link está na descrição!


Se gostaram desta colaboração e querem que eu faça outros vídeos (e podcasts) em que explore outras versões da Língua Portuguesa, por favor deixem um comentário no iTunes a dizer o que acham.


Muito obrigado e até para a semana!

Voltar ao topo

Próximo episódio